Síndrome Respiratório e Reprodutor Porcino (PRRS)

As consequências nas reprodutoras são falhas reprodutivas e sintomatologia respiratória. A descendência sofre de problemas respiratórios causados por infecções secundárias que se agravam devido às propriedades imunomoduladores do vírus do PRRS (PRRSV).

Sobre o PRRS

Para mais informações sobre o PRRS consulte www.porcilis-prrs.com.


Etiologia
O vírus PRRS tem uma cadeia única de RNA.

Classificação:
Espécie: Nidovirales
Família: Arteriviridae
Tipo: Arterivírus.

topo


Consequências do PRRS
O impacto económico do PRRS numa unidade de engorda é considerável. Em reprodutoras é dramático, embora ao fim de alguns meses a exploração possa atingir uma situação estável. No entanto, os problemas de reprodução podem voltar se as reprodutoras se destabilizarem, devido a recirculação do PRRSV a partir da unidade de engorda ou de marrãs excretoras.

topo


Patogénese da infecção por PRRSV
Este vírus é transmitido de diversas formas. O vírus entra e replica-se nos macrófagos. A doença pode ser subclínica ou clínica. O síndrome apresentado, seja ele respiratório ou reprodutor, depende da idade dos porcos afectados.

topo


Sinais clínicos
Porcas e leitões
A infecção por PRRSV pode causar falhas reprodutivas importantes:

  • partos prematuros
  • leitões nados-mortos ou mumificados
  • leitões débeis PRRSV positivos (50% morrem logo após o nascimento)
  • retorno a cio demorado

prrs weak and stillborn
Leitões débeis e nados-mortos ao parto como resultado da infecção por PRRS na porca.

Para além da incapacidade reprodutora, as porcas podem manifestar:

  • anorexia
  • febre
  • letargia
  • pneumonia
  • agaláxia
  • descoloração avermelhada/azul dos ouvidos e vulva
  • edema subcutâneo e nos membros traseiros
  • retorno a cio após o desmame demorado
  • em casos raros morte.

Leitões recém-nascidos
Os leitões recém-nascidos podem apresentar diversos sinais clínicos. Os mais característicos são dispneia, taquipneia e morte.

Porcos em fase de engorda e recria
A infecção por PRRSV isolada é muitas vezes subclínica. No entanto, é indirectamente responsável por enormes prejuízos económicos em unidades de engorda por ser um dos agentes primários do multifactorial complexo respiratório suíno (CRS).

Se existirem sinais clínicos são maioritariamente respiratórios:

  • febre
  • espirros
  • hiperpneia
  • dispneia
  • tosse
  • pneumonia
  • letargia
  • edema periocular
  • descarga oculonasal

A infecção experimental de porcos SPF apenas com PRRSV não tende a produzir sinais clínicos.

topo


Interacções entre PRRSV e outros agentes patogénicos
O PRRSV interage com outros agentes patogénicos e causa graves sintomas respiratórios em porcos de recria e engorda.

Mecanismo de interacção
O mecanismo pelo qual o PRRSV interage com outros agentes ainda está a ser investigado. Contudo, em experiências clínicas verificou-se que:

  • Mycoplasma reforça os efeitos patológicos do PRRSV.
  • O PRRSV reforça os efeitos patológicos do vírus da gripe suína.
  • O PRRSV predispõe os porcos a infecção e doença causada por Streptococcus suis.
  • O PRRSV pode levar à perda de função bactericida de macrófagos pulmonares intravasculares.

Função do PRRSV
Ainda não é possível determinar quais as combinações mais importantes de agentes patogénicos ou definir a importância do PRRSV na gravidade da doença respiratória em porcos. É difícil comprovar experimentalmente devido à patogenicidade das estirpes de vírus usadas, momento da infecção, estatuto serológico dos porcos usados e ausência de factores de predisposição ou stress relacionados com as instalações e/ou tratamento. A experiência clínica neste campo mostrou que a ocorrência de novos agentes origina problemas respiratórios cada vez mais complexos, tendo-se observado melhor desempenho em explorações cujos animais são vacinados contra o PRRSV.

topo


Diagnóstico de infecção por PRRSV
Os métodos usados para diagnosticar a presença de infecção por PRRSV são os seguintes:

  • Serologia
  • Isolamento do vírus (VI)
  • RT-PCR
  • Sequência de nucleótidos ou aminoácidos

topo


Controlo do PRRS em diferentes explorações
Nos porcos de engorda ou recria, bem como nas reprodutoras as seguintes abordagens revelaram-se eficazes:

  • Vacinação
    Está disponível uma vacina viva para vacinar todo o efectivo. Ver Vacinas para mais informações.
  • Estratégias de maneio
    Como sempre, as práticas de maneio utilizadas desempenham um papel fundamental. As nulíparas que entram na unidade de cobrição devem ser aclimatizadas, os princípios de maneio all-in/all-out e do fluxo unidireccional de animais devem ser cumpridos durante as fases recria e engorda.

topo

prrs débeis e nados-vivos

Leitão débil nascido após infecção por PRRS da porca

PRRSV interage com outros agentes patogénicos provocando sintomas respiratórios graves em porcos de recria e engorda.