Doença de Glässer

A Doença de Glässer causada pelo Haemophilus parasuis. O H. parasuis é endémico na maioria das explorações de porcos e é frequentemente isolado nas cavidades nasais de porcos saudáveis.

A introdução de H. parasuis num grupo de porcos não exposto (naïve), (mistura de porcos de diferentes origens), pode traduzir-se em elevadas taxas de morbilidade e mortalidade. A inclusão de porcos naïve em ambientes contaminados por H. parasuis, (mistura de porcos de diferentes origens), pode causar graves prejuízos económicos.

Sobre H. parasuis:


Etiologia
Haemophilus parasuis é uma bactéria muito pequena. Foram identificados pelo menos quinze serótipos diferentes.

Esta bactéria é ubíqua, existe no mundo inteiro e está presente mesmo em grupos de porcos saudáveis. Está muitas vezes associada a stress, sobretudo durante o transporte dos animais. Em populações não expostas a bactéria pode causar uma doença grave. Pode também ser a causa de infecções bacterianas secundárias noutras doenças, sobretudo pneumonia enzoótica (M. hyopneumoniae).

topo


Sinais clínicos
Na maioria das explorações endémicas a H. parasuis, os leitões têm forte imunidade materna até às 6 a 10 semanas de idade. Assim, os efeitos da infecção em animais desmamados são em geral bastante reduzidos. Se a imunidade materna desaparecer antes da infecção, os leitões podem desenvolver uma doença grave. Os surtos de doença surgem por vezes em leitões em aleitamento, sobretudo em primíparas.

Doença aguda
Os porcos afectados pela Doença de Glässer ficam rapidamente prostrados, têm uma temperatura elevada, deixam de comer e têm relutància em se levantar. H. parasuis ataca as superfícies articulares e as membranas que revestem os intestinos, pulmões, coração e cérebro. Nos leitões é comum a ocorrência de meningite ou infecções do ouvido médio, associadas a pneumonia, pericardite, peritonite e pleuresia.

H. parasuis também causa artrite e claudicação com dor aguda, febre e inapetência. A morte súbita em leitões em amamentação saudáveis acontece em explorações com problemas, sobretudo quando a imunidade nas ninhadas das primíparas é baixa.

Doença crónica
Os leitões em aleitamento são muitas vezes pálidos e débeis, sendo que 10 a 15% da ninhada pode ser afectada. Estes animais continuam a apresentar um défice de crescimento. A pericardite crónica pode originar morte súbita.

topo


Diagnóstico
O diagnóstico da Doença de Glässer é confirmado por:

  • Sinais clínicos
  • Examinação post mortem
  • Isolamento do organismo

Contudo, pode ser difícil obter um diagnóstico conclusivo dado a complexidade em obter culturas de H. parasuis. O exame post mortem nem sempre é conclusivo e o organismo em causa pode não ser facilmente identificado nos exames bacteriológicos.

Diagnósticos diferenciais

  • Actinobacillus suis
  • Actinobacillus pleuropneumoniae
  • Doença cardíaca de Mulberry
  • Meningite estreptocócica
  • Septicemias estreptocócicas

topo


Tratamento e Prevenção
A antibioterapia deve ser instituída antes de a doença clínica se tornar visível, o que requer a inspecção periódica dos porcos em risco.

H. parasuis tem elevada sensibilidade antibiótica, designadamente à amoxicilina, ampicilina, OTC, sulfonamidas, penicilina e ceftiofur.

Controlo e Prevenção

  • As rações da lactação podem ser tratadas com antibióticos.
  • A vacinação com vacinas inactivadas depende dos serótipos Haemophilus parasuis. Ver Vacinas.

topo

piglet glaesser symptoms

Doença de Glässer: decúbito lateral

A bactéria é ubíqua, existe no mundo inteiro e está presente mesmo em grupos de porcos saudáveis.